top of page
  • Foto do escritorRedação Belterra

Dia de Campo Belterra movimenta Camamu (BA) no Dia do Trabalhador e Trabalhadora Rural

Agricultores, pequenos proprietários e autoridades locais tiveram oportunidade de percorrer as áreas de SAF na região sul da Bahia 

Foto: Divulgação/Belterra


O Dia de Campo Belterra - Camamu (BA) 2024, realizado no sábado, dia 25 de maio, reuniu mais de 100 pessoas da região de Ilhéus, no sul da Bahia, e foi um dia de muitas trocas sobre cacau e sistemas agroflorestais. Nosso público-alvo contou com parceiros institucionais, traders, acadêmicos, terceiro setor, representantes de órgãos públicos locais, sociedade civil, sindicatos, associações, cooperativas locais e potenciais parceiros como trabalhadores rurais e pequenos proprietários, em uma miríade de setores complementares que é possível em torno da cultura do cacau.  


A data foi escolhida pela equipe para comemorar o Dia do Trabalhador e Trabalhadora Rural, com uma programação rica e cheia de informação para apresentar o modelo e os resultados que a Belterra Agroflorestas tem alcançado na Fazenda Cultrosa, por meio da visita in loco das melhores práticas, além de palestras de parceiros como a Comissão Executiva do Plano da Lavoura Cacaueira (Ceplac) e Cargill. 


Ações de fomento ao ecossistema na cadeia produtiva do cacau e investimento em negócios de impacto socioambiental positivo contribuem para a meta da Belterra de produzir cacau em mais de 40 mil hectares de áreas recuperadas até 2030, e alavancar o negócio à liderança de mercado.  


"Nossa parceria com os proprietários na região sul da Bahia tem sido muito valiosa e realizar o nosso primeiro Dia de Campo de 2024, em Camamu, nos brinda a oportunidade de captação de novas áreas, interações importantes na região e difusão do nosso modelo. O resultado foi de grande relevância”, destacou o diretor de Novos Negócios da Belterra, Luiz Eduardo Quintella. 


Eduardo Gileno Brandão, 77 anos, proprietário da fazenda Cultrosa, em Camamu (BA), onde foi realizado o evento comentou a importância da iniciativa para despertar cada vez mais o interesse pelo modelo na região. “A importância desse projeto é imensa para a região, servindo como modelo a ser multiplicado e quebrando a discussão do que é melhor: cacau na cabruca ou a pleno sol, pois ele reúne as vantagens dos dois sistemas, com a luminosidade que o cacau necessita para melhorar sua produtividade aliada ao seu conforto técnico proporcionado pelo açaí e as essências existentes na cabruca”, enfatizou. 


Sobre a Belterra Agroflorestas 

A Belterra, startup nascida com a missão de promover o desenvolvimento sustentável na agricultura, possui sede administrativa em Curitiba (PR) e operações no Pará, Bahia, Mato Grosso, Rondônia, Piauí e Minas Gerais, trabalhando com a recuperação de áreas degradadas e implementação de florestas produtivas na Amazônia, Mata Atlântica, Caatinga e Cerrado. A empresa já implantou 3.000 ha de agroflorestas nos 6 estados em que está presente, auxiliando na preservação de 30.000 ha. Atualmente, está implantando 3 viveiros de mudas, entre eles, o maior viveiro de cacau e espécies florestais nativas do Brasil, com capacidade para 10.000.000 mudas a curto prazo. No Brasil, possui como principais parceiros o Fundo Vale, a Natura, a Amazon, a Cargill e a Good Energies Foundation. 

 

Informações para imprensa: 

Belterra Agroflorestas 

Lívia Nadjanara 

Assessoria de Comunicação 

41 99117-0021





Comentários


bottom of page